RandomBlog
segunda-feira, novembro 07, 2005
 
Uma história da minha rua
Actualmente habito num bairro degradado no centro de Lisboa, freguesia da Pena. A minha rua não é uma rua, mas uma travessa, sem saída. Há alguns dias duas viaturas da polícia entraram na minha rua e pararam o automóvel, dirigindo-se a correr e a pé para um edifício que não conseguia ver. Os vizinhos, tal como eu, aproximavam-se de uma forma discreta, das janelas. Passado quinze minutos os polícias recolhem aos automóveis e começam a recuar de marcha a trás. Imediatamente saem para a rua as crianças que usualmente ali brincam e assumem a reconquista da rua. Acabou, NÃO! Com a reconquista da rua é disparada uma música de uma qualquer janela.
A minha rua é habitada por velhos residentes de Lisboa (há mais de 50 anos), prostitutas novas e reformadas, emigrantes indianos, chineses e de países africanos, passadores de droga... População marginalizada e que vê na polícia um factor de insegurança.

Dizer, como Marcelo Rebelo de Sousa disse, que o que se passa em França é uma situação específica desse país, é não se perceber que a cidade é um elemento complexo que reflecte a sociedade em que se vive. É óbvio que cada contexto urbano tem especificidades, mas a globalização do sistema capitalista, da crise, do desemprego, das marginalizações, leva a este tipo de reacções incontroláveis.
Não sou dos que pensa que estes movimentos podem ter um carácter revolucionário e transformador. Mas a sua génese, embora reaccionária (no sentido de ser uma reacção) é profundamente anti-capitalista e por isso interessante de seguir.
 
Comments:
Pelo menos duas coisas temos em comum

A freguesia de residência

A vontade de não querer essa esfinge em Belém

Às duas por três vim cá parar. Ainda bem
 
quanto pagas de renda? paga impostos? mas tens carro ha porta. pouis
 
Very cool design! Useful information. Go on! » »
 
You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it » »
 
Keep up the good work film editing schools
 
Enviar um comentário

<< Home
Notícias da Resistência | desde Agosto de 2003 m@il | tiagoms3@yahoo.com.br




  • "(...) porque Cavaco simboliza aquilo que mais náuseas me provoca: a banalização de tudo, o sucesso ranhoso e vazio, o atropelo dos valores e das pessoas, o autoritarismo descabelado, a demagogia, o nacional-carreirismo e os favores, a aldrabice e a cunha, a indiferença, o elogio da pirosice, a ignorância e a escandalosa nulidade cultural, etc, etc..."
    Al berto, "NEM MAIS - jornal do movimento de jovens apoiantes incondicionais de sampaio", 1995




    REDE DE BLOGUES ANTI-CAVACO (em criação...)

  • CAVACO FORA DE BELÉM
  • STOP CAVACO
  • HIPER CAVACO
  • O VOTO É A ARMA DO POVO
    Nome:
    Localização: Lisboa, Portugal
    ARQUIVOS
    08/2003 - 09/2003 / 09/2003 - 10/2003 / 10/2003 - 11/2003 / 11/2003 - 12/2003 / 12/2003 - 01/2004 / 01/2004 - 02/2004 / 02/2004 - 03/2004 / 03/2004 - 04/2004 / 04/2004 - 05/2004 / 05/2004 - 06/2004 / 06/2004 - 07/2004 / 07/2004 - 08/2004 / 08/2004 - 09/2004 / 09/2004 - 10/2004 / 10/2004 - 11/2004 / 11/2004 - 12/2004 / 12/2004 - 01/2005 / 01/2005 - 02/2005 / 02/2005 - 03/2005 / 03/2005 - 04/2005 / 04/2005 - 05/2005 / 05/2005 - 06/2005 / 06/2005 - 07/2005 / 07/2005 - 08/2005 / 08/2005 - 09/2005 / 09/2005 - 10/2005 / 10/2005 - 11/2005 / 11/2005 - 12/2005 /




    Powered by Blogger




  • LINKS
  • ÀS DUAS POR TRÊS
  • BERRA BOI
  • DIAS VAGABUNDOS
  • ENTRE SONHOS
  • LA PIPE
  • SPECTRUM
  • TITAML
  • SOCIOCRACIA
  • LES UNS ET LES AUTRES
  • DESCRÉDITO
  • BOAS INTENÇÕES
  • EM ORBITA
  • FILHO DO 25 DE ABRIL
  • TESSITURAS
  • AQUI QUEM FALA SOU EU